Investimento Agronegócio – Como investir

O agronegócio é considerado um dos setores mais rentáveis ​​do Brasil, pois tem alta liquidez e segurança na aplicação do capital. Além disso, sempre existe demanda por produtos agrícolas em todo o mundo, independentemente de crises ou recessões no mercado financeiro.

Para que você possa realizar o seu negócio e não ter que depender de ninguém para ganhar dinheiro, vamos mostrar as principais possibilidades de investimento.

Entendendo o mercado

Antes de definir sua estratégia de investimentos é preciso entender como funciona esse mercado. A seguir, saiba quais os 3 melhores setores para se investir no Agro.

1. Insumos Agrícolas

Apesar de entraves econômicos como o conflito Rússia x Ucrânia, a Pandemia do Corona Vírus, ocasionando a alta nos preços dos insumos e fertilizantes, o Setor ainda se mostra bastante promissor, alcançando novos recordes de produtividade e exportação. O incremento das empresas através das IPO’s dentro do mercado de ações da bolsa de valores, mantém o cenário do agro confiável, produtivo e sustentável.

2. Plantio

No Brasil, o carro-chefe da nossa produção das Commodities alimentares é o cultivo de grãos, onde destaca-se a soja com uma estimativa de colheita em aproximadamente 152 milhões de toneladas para 2022/2023, segundo a CONAB. Isso retrata o resultado dos investimentos feitos pelos grandes produtores em tecnologia, pois os mesmos estão estimulados a valorização dessas commodities no mercado externo.

3. Setor de Carnes, Cana de Açúcar e Papeleira

As indústrias de carne, cana-de-açúcar e papel fazem parte da ‘economia verde’. Isso significa que fornecem energia limpa sem prejudicar o meio ambiente, geram empregos e produtos sustentáveis e estão estimuladas pela rentabilização das commodities alimentares como a saca da soja, do milho e a arroba do boi gordo.

As 5 melhores formas de investimento

Existem variadas formas de opções de renda tanto na fixa como na variável, observando sempre as características do mercado global e local.

  • Ações

– Investimentos de renda variável onde o investidor tem que estar completamente informado sobre a empresa, conhecer a sua forma de atuação.

– Avaliar critérios como potencial de alavancagem do negócio, política de dividendos, os ciclos do agronegócio, as margens de lucro, capacidade de endividamento (Ebitda), entre outros.

  • Letra de Crédito do Agronegócio (LCA)

– Investimentos de renda fixa mais direcionado àquele investidor de perfil moderado.

– Os recursos investidos e captados são destinados a fomentar financiamentos ou empréstimos as Cooperativas e Produtores envolvidos no Setor.

– 3 tipos de rentabilidade: Prefixada (taxa de juros anual fixa); Pós-fixada (vinculada ao valor da Taxa SELIC) e Híbrida (uma parte pré -fixada e outra parte pós-fixada).

– Tem baixa liquidez  e o prazo mínimo para resgate da remuneração varia de 3 a 36 meses, dependendo se a mesma estiver vinculada a um índice de preços mensal ou anual. 

– Possui a cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que pode repor perdas de até RS 250 mil reais, tem isenção do Imposto de Renda e IOF (imposto sobre operações financeiras).

  • CRA (CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS AGRÍCOLAS)

– Investimentos de renda fixa, com prazos pós-fixados, pré-fixados ou híbridos;

– Indicados para os investidores de perfis moderados e agressivos que não tenham a preocupação de sacar a remuneração investida no curto prazo;

–  Liquidez baixa em relação a outros investimentos de renda fixa. O investimento mínimo para a aplicação é de R$ 1.000,00.

– Apresentam maior risco para o investidor uma vez que seus títulos poderão não ser quitados pelo seu Emissor;

– Podem oferecer uma rentabilidade mais alta por não ter a cobertura do FGC.

  • FIAGROS

– Investimentos na forma de rendimento variável, viabilizando o crédito de forma mais fácil, não só através dos bancos como também pelos investidores em um contexto geral;

– As aplicações são mais diversificadas e personalizadas através de uma gestão profissional da carteira de investimento ao longo das operações;

 – Existem 3 modalidades diferentes de Fiagro: Os recursos investidos nos Ativos Imobiliários Rurais (Fiagro-FII); os que se aplicam a recursos nas Empresas do Setor (Fiagro-FIP) e os investimentos em recursos em Direitos Creditórios do Agronegócio (FIDCs);

  – Possuem a isenção do imposto de renda, ótimas expectativas para a comercialização das commodities agrícolas, transações são feitas em dólar, o que torna os investimentos bastante promissores e interessantes.

  • CPR (CÉDULA DE PRODUTOR RURAL)

– Investimento na renda fixa sendo a principal ferramenta de investimento para expandir a cadeia produtiva do agro;

– Consiste na entrega de produtos rurais em uma negociação futura e poderão ser emitidas por Produtores Rurais, Associações ou Cooperativas Agrícolas.

 – A CPR física é um título emitido pelo produtor rural, através de determinadas condições para a sua quitação, como local, data e qualidade, onde o investidor ficará na responsabilidade de transformar o produto em dinheiro.

 – A CPR financeira consiste de pagamento em dinheiro ao investidor, possui uma liquidez baixa através de uma remuneração de juros pré-fixados em prazos pré-estabelecidos, possui maior rentabilidade que outros produtos da renda fixa.        

– São isentas de imposto de renda e IOF, mas não contam com a segurança do FGC. Na aquisição de uma CPR, as Instituições de Crédito Financeiro costumam exigir algumas garantias reais por parte do Produtor como hipoteca, penhor ou garantia pessoal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.